domingo, 17 de julho de 2011

O Maranhão sem remédio


Deu na Veja:

“A história ajuda a explicar a pobreza recalcitrante do Maranhão. Em 2005, uma faculdade controlada pela família do ex-deputado Paulo Marinho comprou um terreno, no leste do estado, por 32 000 reais. Quatro anos depois, a área foi desapropriada pela governadora Roseana Sarney para a construção de um hospital. O governo maranhense pagou 3 milhões de reais, o que constitui uma estonteante valorização de 9 275%. Até agora, contudo, o estado não conseguiu a posse do terreno, porque ele foi penhorado pela Justiça por causa de dívidas fiscais do antigo dono. Roseana não sabia?”[grifo nosso].

2 comentários:

José Carlos Jr. disse...

É meu amigo, parece que somos temos muito em comum além de sermos geógrafos.

Como alagoano posso te dizer essa safadeza ocorre de forma quase que declarada em nosso Estado, com o agravante de que a maioria dos nossos congressistas, sejam estaduais, sejam federais, responde criminalmente inclusive por homicídio, entre outras coisas.

Eu particularmente defendo que a única maneira de o nordeste ser passado a limpo é uma revolução, onde essas 'cabeças' rolem...

Um abraço e boa semana.

Antoniel Gomes disse...

Nem hospital universitário,nem dinheiro.Isso é uam vergonha e o povo ainda vota nestes pilantras!Abração